PANC: Brasil tem mais de 5 mil plantas comestíveis (Jornal A Voz da Serra)

Boa Tarde,

Segue uma sugestão de leitura,

Reportagem interessante sobre as PANCS (Plantas Alimentícias Não-Convencionais), postada no dia 17/02/2017, no Jornal A Voz da Serra. Imagens e texto retirados da reportagem.

Link da reportagem: clique aqui

valdelyr-knupp_0 Valdely Kinupp (Foto: Jornal A Voz da Serra)

Abraços,
Sara

Nova Cartilha das PANCs: GVC-UFRGS!

Bom Dia!

Material Novo sobre as PANCs (Plantas Alimentícias Não-Convencionais) do Rio Grande do Sul bem legal, do Grupo Viveiros Comunitários, UFRGS, pessoal da Biologia entre outros amantes e pesquisadores dos temas afins.

Página do Grupo no Facebook: clique aqui

Parabéns pro pessoal: Marília Elisa Becker Kelen, Iana Scopel Van Nouhuys, Lia Christina Kirchheim Kehl, Paulo Brack e Débora Balzan da Silva (Organizadores), orientados pelo Prof.Dr.Paulo Brack, um grande multiplicador, defensor e pesquisador das PANCs!

cartilha-Pancs Para baixar: Cartilha-PANCs_GVC_2015

Boa Leitura, Boas Plantações, Boas Comidinhas e Bom Uso!

😀

Abraços,
Sara

Livro das PANCS!!! Do Kinupp e do Lorenzi :D :D :D

Bom Dia, Pessoal!

Saiu o livro das PANCS!!! “Plantas Alimentícias Não-Convencionais (PANC) no Brasil. Guia de indentificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas”, do Valdely Kinupp e do Harry Lorenzi (2014), Ed.Plantarum.

O meu exemplar chegou semana passada! 😀 😀 😀

O livro é lindo, as fotografias são de boa qualidade, é capa dura, tem 768 páginas de muiitas plantas, com a parte botânica, usos e receitas. Recomento muiito comprarem e divulgarem! É a riqueza do nosso país (e planeta), a AgroBiodiversidade esperando para ser (re)descoberta, valorizada, respeitada!

A imagem do livro tirei do site da Ed. Plantarum (clique aqui) e do Valdely com o livro, roubei do Blog Come-se (clique aqui).

Agora fica mais fácil sair pela rua identificando os matinhos que surgem no caminho.

Abraços e bom proveito!
Sara

Cogumelos Comestíveis da Mata Atlântica – Palestra em SP: Marina Capelari, Jorge Ferreira e Alex Atala

Bom Dia!

Este é um tema que me interessa bastante, apesar de eu não ser uma amante dos cogumelos – estou aprendendo a comer alguns tipos, pois me incomodo com a textura e ainda sou bem ignorante no assunto, admito, hehe.

Na página do El Cocinero Loko vi hoje este post que segue abaixo, de um bate papo sobre cogumelos comestíveis da Mata Atlântica.

O que é: Bate papo sobre cogumelos comestíveis da Mata Atlântica

Data: 14/04 (segunda-feira)

Hora: das 10h as 12h

Local: Espaço Maní-Manioca (Rua Joaquim Antunes, 212), São Paulo-SP

Ingresso: Gratuito

 

cogumelos-comestiveis

Micologia
Bate-papo sobre cogumelos comestíveis da mata Atlântica. Como convidados teremos:

Marina Capelari, bióloga, especialista em micologia do Instituto de Botânica, iniciará o debate com apresentação do Reino Fungi, especificidades dos cogumelos comestíveis e a perspectiva na região;

Jorge Ferreira, botânico autodidata, trabalha em Paraty há muitos anos com agrofloresta e pesquisa sobre cogumelos na região, contará sua experiência com a vivência na Mata Atlântica;

Alex Atala, trará para o debate o relato sobre o trabalho que já desenvolve com cogumelos.

Nossa ideia é conhecer um pouco mais sobre esse campo tão pouco explorado no Brasil e, quem sabe, alguma perspectiva futura.

Será no dia 14/04, segunda-feira, das 10h às 12h, no Espaço Maní-Manioca (Rua Joaquim Antunes, 212).
O evento é gratuito. Pré-inscrição pelo email: centroculturaculinariac5@gmail.com
Vagas limitadas.

Abraços,
Sara

Livro: “Cozinheiro Nacional”

Boa Tarde,

Segue dica de livro para baixar do site da USP (Universidade de São Paulo), editora Livraria Garnier, RJ (Grafia original):

cozinheiro-nac

COZINHEIRO NACIONAL ou COLLECÇÃO DAS MELHORES RECEITAS DAS COZINHAS BRASILEIRA E EÜROPÉAS

“Para a preparação de sopas, molhos, carnes, caça, peixes, crustáceos, ovos, leite, legumes, podins, pasteis, doces de massa e conservas para sobremesa. Acompanhado das regras de servir á mesa e de trinchar. Ornado com numerosas estampas finas.”

Para baixar: clique aqui ou clique aqui

Abraços,
Sara

Entre Estantes & Panelas discute Plantas Alimentícias Não Convencionais (SP: 26/08)

Boa Tarde,

Para quem estiver em SP (pena que não é o meu caso…), nesta segunda-feira (26/08), haverá mais uma edição do Entre Estantes & Panelas e o assunto serão as PANCs! 😀 (Plantas Alimentícias Não Convencionais), com as presenças da Nutricionaista Neidi Rego, do Blog Come-se (recomendo muito para quem ainda não conhece), do Professor Valdely Kinupp (que desenvolveu a tese sobre as PANCs, em 2007 – recomendo fortemente usar a tese como guia de plantas alimentícias e de informações nutricionais e botânicas), atualmente professor no IFAM – Câmpus Manaus Zona Leste e da Chef Helena Rizzo, do Restaurante Maní.

Da página da Revista Menu e do Blog Come-se:

21082013_estantes_panelasEntre Estantes & Panelas discute plantas alimentícias não convencionais

O Entre Estantes & Panelas, série de encontros gratuitos mensais em que se discutem os rumos da alimentação, terá sua primeira edição de 2013 no próximo dia 26 de agosto. O evento tem apoio da Livraria Cultura, que cedeu a sala de teatro Eva Herz para o debate. Nesta edição, será discutido o uso das plantas alimentícias não convencionais (panc). Essas plantas crescem espontaneamente tanto na cidade quanto no campo, em vãos de calçadas, praças e terrenos baldios. Entre as folhas comestíveis – e desconhecidas pela maioria das pessoas – há bertalhas, carurus, beldroegas, urtigas, feijões-de-asa, camapus e lírios-do-brejo.

O encontro terá a participação da chef do Maní Helena Rizzo, a blogueira e nutricionista Neide Rigo e o biólogo Valderly Kinupp. A curadoria está a cargo do sociólogo Carlos Alberto Dória e a jornalista Janaina Fidalgo, com coordenação de Camila Dias. Os convidados falarão do potencial gastronômico dessas plantas comestíveis não convencionais e discutirão ainda o fenômeno da padronização da alimentação e as tentativas para recuperação da diversidade de espécies à mesa.

Entre Estantes & Panelas – A Gastronomia do Pensar

26 de agosto, das 19h30 às 21h

Teatro Eva Herz – Livraria Cultura do Conjunto Nacional

avenida Paulista, 2.073 – Cerqueira César (veja no mapa)

Entrada franca (retirar senhas meia hora antes; duas senhas por pessoa)

Abraços e bom findi,
Sara
.

Pam Warhurst: Como podemos comer nossas paisagens?

Bom Dia,

Compartilho e recomendo um vídeo bem interessante, instrutivo e inspirador, que me foi repassado pela minha irmã Ana: “Pam Warhurst: Como podemos comer nossas paisagens?” Da página do TED.

“O que uma comunidade deve fazer com sua terra sem uso? Plantar comida, é claro. Com energia e humor, Pam Warhurst conta no TEDSalon a história de como ela e uma crescente equipe de voluntários se juntaram para transformar vários terrenos sem uso em jardins comunitários de vegetais, e assim mudar a narrativa sobre comida na sua comunidade” (TED).

“Fazemos porque queremos começar uma revolução. Tentamos responder uma pergunta simples: podemos achar uma língua unificadora, qualquer que seja a idade, a renda e a cultura, e que ajude as pessoas a acharem uma nova forma de viver, a ver espaços ao seu redor de forma diferente, a pensar nos recursos que usam de forma diferente, a interagir de outra maneira? Podemos achar tal linguagem? E, depois, podemos replicar tais ações? A resposta parece ser sim e a linguagem parece ser a COMIDA.”

Eles escolheram 3 PRATOS:

– um Comunitário, a forma como vivem o dia-a-dia;

– um Educacional, o que ensinam as crianças nas escolas e quais as novas habilidades que dividem; e

– um Comercial, o que fazem com o dinheiro que tem, que tipo de negócio vão apoiar.

Para assistir o vídeo (~13min.): clique aqui 

Página do projeto Incredible Edible Todmorden:  clique aqui

Página no Facebook do projeto Incredible Edible Todmorden:  clique aqui

Abraços,
Sara

“I Mostra Biodiversidade pela Boca: Frutas Nativas e PANCs”: foi um sucesso!

Bom Dia!

Ontem foi a “I Mostra Biodiversidade pela Boca: Frutas Nativas e PANCs” (abaixo, cartaz da Mostra), pena que não consegui divulgar aqui antes. A Mostra aconteceu na Feira da Cultura Ecológica, que acontece aos sábados pela manhã (e na quarta-feira à tarde), na EMATER (bairro Menino Deus – PoA). A Mostra foi promovida pela Ong InGá em parceira com a Feira da Cultura Ecológica e com apoio do MAPA (ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

A Claudine, amiga querida e uma das organizadras (Ong InGá), convidou-me para participar, com meus pães de PANCs (Plantas Alimentícias Não-Convencionais) – eu já tinha vendido para os Grupos de Agroecologia, no evneto sobre as Frutas Nativas, que ocorreu em novembro/2012; ela mesma tinha me convidado. Aceitei o convite: encomenda de 20 pães! Levei pães de ora-pro-nobis (Pereskia grandiflora), bertalha-coração (Anredera cordifolia) e de polpa de goiaba.

E adorei participar da Mostra!

Não consegui tirar fotos da Feirinha, mas a Lari (outra amiga querida), me fez a gentileza de fotografar.

Fotos da Lari: clique aqui

A Mostra foi um sucesso, várias pessoas passaram por lá, trocamos informações, saberes, dicas! Que venham outras! Vamos divulgar a Biodiversidade e as Delícias da Natureza e de Nossa Casa (Planeta Terra)!!!

biodiversidade-pela-boca   Foto: Lari

“Edible Plant Project” – Projeto Plantas Comestíveis

Boa Tarde, Pessoal

Estou, aos poucos, retomando o blog. Estava procurando mais informações sobre as PANCs, hortaliças espontâneas, plantas comestíveis, wild edible food, enfim, e achei um site de um projeto bem interessante, na Flórida, EUA, o

“Edible Plant Project”.

Sobre o projeto, da página deles:

The Edible Plant Project (EPP) is a volunteer-based, 501c3 nonprofit organization working to promote edible landscaping and local food abundance in North Central Florida. The goal of the EPP is to create positive alternatives to the unsustainable food system in this country.”

[Tradução literal: “O Projeto de Plantas Comestíveis (PPE – em inglês) é baseado em trabalho voluntário, a organização 501c3 sem fins lucrativos trabalhando para promover o paisagismo comestível e abundância local de alimentos no norte da Flórida Central. O objetivo do EPP é criar alternativas positivas para o sistema alimentar insustentável neste país.”]

O site tem boas informações sobre as plantas e, junto da explicação de cada uma, tem o nome científico, o que ajuda bastante, já que nome popular varia conforme cultura/localidade. Tem várias plantas que temos por aqui e tem links interessantes para cada uma.

Para acessar o site: clique aqui

Recomendo dar uma olhada!

Abraços,
Sara

Alimentação e Arte (Blog Papo na Cozinha)

Bom Dia!

Compartilho um post bem legal sobre Alimentação e Arte.

Do Blog Papo na Cozinha:

Foodscapes: a arte com comida

O britânico Carl Warner criou uma série de fotografias de tirar o fôlego que misturam gastronomia e arte. Sua série de fotografias FoodScapes pode até parecer pintura, mas quando olhada de perto você perceberá que aquela árvore tão bonita é, na verdade, um brócolis ouum couve-flor.

O processo para se criar as FoodScapes é demorado, pode chegar a 3 dias apenas na fase da montagem, e complexo, isso sem contar que a comida murcha rapidamente, o que pode estragar o cenário. Cada elemento é colocado junto e, em pós-produção, o que leva mais alguns dias, está pronto para atingir a imagem final. Carl Warner costuma trabalhar com temáticas que envolvem pessoas e animais, mas, sem dúvida, sua série criada com comida é a que mais chama a atenção. Confira!”

Esse barquinho em alto mar é feito de abobrinha e vagem. O restante é tudo repolho roxo! Esse incrível pôr-do-sol foi feito com fatias de salmão cru (mar), pão preto (rochedos), ervilhas (barquinho), batatas e feijões (pedras). A imagem é composta, basicamente, por frios: presunto, bacon, presunto parma e salame. O carrinho e troncos de árvore são feitos de biscoitos tipo grissini.

A cortina, móveis e cestos, são macarrão. A toalha de mesa é uma fatia de queijo bem fina. Frutas e legumes completam a paisagem. Os toldos e cestos foram feitos com macarrão. A casa é de queijo. O resto do cenário é feito com grãos, verduras e legumes. Os montes de feno são cocos, o chão é arroz e as muretas são grãos.

Essa caverna foi feita com frutos do mar, cenouras, caranguejo e uma lagosta. Já as rochas são de pão e as submersas, de legumes. Os balões são todos feitos com frutas e legumes. Plantações de espigas de milho e pepino, árvores de brócolis, rochas de batata, casas de queijo e cenoura. O carrinho foi feito com massa de lasanha; as nuvens, de mussarela de búfala; as árvores, de pimentão, manjericão e salsa; e o vilarejo, de queijo.

A casa e pedras são de queijo. As rochas são pães inteiros.

Abraços,
Sara